Sunday, 3 May 2009

Recuperar esta mota? Não te metas nisso...

Descubra na imagem uma KTM Ponny II...



"Quando comprar um veículo para restaurar, lembre-se que o dono possivelmente o está a vender porque desistiu de o restaurar". É uma frase que sempre ouvi, desde que entrei "nisto" de escangalhar e arranjar carros e motas "velhas". Esta frase é só para enervar os "coleccionadores", que tentam a todo o custo " enobrecer" o acto de preservar veículos históricos. Haviam de ver a cara dos "coleccionadores", quando nos referimos a motos e veículos clássicos como "carros e motas velhas". Pior. Imaginem chegar ao pé de um "coleccionador", e dizer-lhe: " Então o meu amigo também gosta disto das motas velhas, não é verdade? "...

Esta moto quando veio para as minhas mãos, nem moto se podia chamar. Nem sequer sucata se podia chamar. Sucata implica algo que possamos levar ao ferro-velho para vender. "Isto", estava dentro de baldes e caixotes, e espalhado por um sótão misturado com móveis velhos e esquentadores. Sem motor. Sem documentos. Sem matrícula. Sem sistema eléctrico. Sem metade das peças. Ora bolas, nem a marca se conseguia decifrar! Sem esperança,portanto. Preço? O dono agradeceu-me por eu ter "limpo" o sótão...

Obviamente, esta...moto, tinha sido alvo de uma tentativa de restauro, mas obviamente o dono desistiu de o fazer. É muito bonito passar um dia cheio de óleo e massa a desmontar uma moto " para restaurar". Se restaurar veículos clássicos fosse apenas "desmanchar", toda a gente restaurava veículos clássicos. o pior são passados meses onde não fazemos a mínima ideia do que fazer para colocar tudo no sítio. Sótão com ela!

De um sótão, passou para outro sótão, na Margem Sul. Mas desta feita, com todas as peças fotografadas e catalogadas. Havia que descobrir que raio de modelo era este! Passando uma lixa no quadro, descobri uma pequena placa que dizia KTM. Era uma KTM. Não daquelas côr-de-laranja que estamos habituados a ver na televisão, a atravessar Desertos e paisagens inóspitas, mas , graças ao meu amigo Google, um modelo fabricado nos anos sessenta antes da marca falir. O meu amigo Google também me informou acerca do Forum do clube KTM Portugal, que me explicaram mais num dia acerca do modelo, do que em quatro anos .

Após ter sido despachada para Inglaterra, a nação orfanato das motas antigas e clássicas, procedeu-se então ao passatempo que é uma mistura de jogar Tetris com brincar com Legos. Havia que descobrir onde tudo aquilo encaixava. Após dois anos de permanência em Inglaterra, e recorrendo uma vez mais à ajuda preciosa do Forum do Clube KTM de Portugal, consegui conhecer outros proprietários e arranjar mesmo um manual de proprietário original!

Consegui arranjar um motor Sachs 3 de turbina em Portugal, idêntico ao original, embora retirado de outro veículo, e o esquema elécrico. Localizei também o farol dianteiro e o farolim traseiro na Alemanha, mas o meu maior problema continuam a ser os cubos das rodas, que ainda não consegui encontrar! Em caso de emergência, é questão de " passar ao torno" os cubos da frente de uma Yamaha BWS, mas espero que consiga encontrar os originais.


A "mota impossível de restaurar" e que " era melhor comprar uma em melhor estado"...Obrigado á "brigada dos coleccionadores e dos entendidos"...Se eu fosse pela vossa conversa, o Mundo tinha menos uma KTM ...


Eis o aspecto actual do " andamento dos trabalhos". A "policia dos escorridos de tinta" e a " Gestapo dos parafusos", haviam de ter pano para mangas para se entreterem e pôr defeitos, como é costume. Mas como é costume, esta malta são os tais que dizem sempre " mais vale comprar uma em melhor estado" quando vêem um desafio para restaurar. Por isso a gente não lhes liga nenhuma.

( Dedicado ao Forum do clube KTM Portugal, sem o qual não teria sido possível enveredar por esta odisseia que muitos garantiram de " impossível". Obrigado)

4 comments:

MOTARTE said...

Está ficando composta!!!

Continuação de bom trabalho.

Alexandra Moura said...

Nao diria que um amontoado de ferro,daria numa mota tao bonita,forca com o trabalho,pois quero ver o produto final,continuacao de um bom trabalho,beijos doces....

mariam said...

Miguel,

nunca tal tinha visto uma mota assim!!! Obrigada!

e... estou curiosíssima e expectante p'lo resultado final da 'pão d'forma'! Quando aqui venho espreito sempre a lateral.. e lá continua ela ainda igual... rsrsrs

um abraço amigo e um sorriso :)
mariam


ah! as fotos, tirei-as debruçando-me num muro, o desnível no terreno é enorme! foi em Sintra :)

Castanheira said...

Pois.. é por isso que ainda avancei com o restauro da minha Vespa 50S de 1966. Provavelmente ia passar uns tempos longos em caixotes. Assim está velhinha, mas pelo menos anda.