Saturday, 26 April 2008

Bentley Continental Spur

Um Bentley , pertencente à fábrica, em Crewe! Melhor do que isto...

Podem dizer que é um Volkswagen, podem dizer que a única coisa inglesa no carro é o ar dos pneus, que nada disso me interessa. Estar aos comandos deste palácio sobre rodas, é uma experiência religiosa, diria mesmo fundamentalista. Um Bentley não se questiona: venera-se.

A fábrica da Bentley em Crewe, foi onde comecei a minha aventura automóvel em Inglaterra. Hoje, voltei a Crewe por outros motivos sociais, e reencontrei um velho amigo de sempre. O tal, que em 2005 ainda era um modelo pouco difundido, e se encontrava resguardado do alcance do público.


Gostaria de pensar, que o sussurar do potente W16, fôsse como quando o gato da vizinha me vê chegar todos os dias, e desce do muro para se vir roçar nas minhas pernas , enquanto abro a porta. O Continental Spur, não sei porquê, mas parece-me bastante familiar e despretensioso. Não tem aquela postura do primo afastado Phantom , de que " Não se dá com a populaça". O RR é como um Poodle escovado e com pedigree, e o Spur um Exclusivo Golden Retriever de um milionário que lambe a mão ao carteiro.


Apenas conduzi um Spur em 2006, num breve percurso próximo da fábrica de Crewe. Tal como o Veyron, a sensação de que podemos estar a estragar os estofos com o nosso vestuário, persegue-nos violentamente. As cores e os cromados subtis estratégicamente colocados em redor dos ocupantes, avivam-nos os sentidos, e é como se estivessem ali para nos lembrar permanentemente da experiência rara, que é por momentos estarmos de posse de semelhante jóia do mundo automóvel.
Mesmo o simples acto de seleccionar o "D" da caixa automática, reveste-se de um significado sobrenatural, como se não estivéssemos a engrenar uma mudança, mas sim a chamar à terra os deuses da potência e do binário. Com efeito, o gargarejar abafado do único motor W16 do mundo, ele próprio um capricho luxuriante de uns magos eremitas fechados numa sala em profunda veneração pela tecnologia,transporta-nos em Warp 5 para um mundo em que mesmo as leis do Homem e da circulação rodóviária são brutal e selváticamente relegadas para segundo plano.
Por momentos, não somos utilizadores da estrada, mas sim meros servos engajados pelo Além para manejar este instrumento avassalador enviado pelos céus .
O pedal do acelerador movimenta-se debaixo do pé , como se de uma reluzente maçã envenenada se tratasse. Um pouco mais, e seria tolhido pelo pecado. Um pouco menos, e não me sinto saciado. A cada segundo , o bom senso e os neurónios lutam entre si para evitar que o descalabro, o êxtase, surjam em forma de uma aceleração brutal.
Guiar este carro, é o equivalente terreno a acordar numa Penthouse no cimo de um prédio na 5. Avenida em New York.




Há algo de familiar naquele carro. Algo que não consigo explicar. Serão as suas linhas consensuais e tradicionais, como que um esforço titânico para passar despercebido, mas com uma eficácia semelhante à de ter a Gemma Atkinson a passar em frente a um prédio em construção na hora do almoço. Ou será o capricho de importarem material da Alemanha para continuarem a fazer um topo de gama no meio de uma região rural da Inglaterra central? Não sei.

O que sei, é que reencontro um Spur, é como se encontrasse um amigo que não via há muito. Não me assustam as suas jantes de cinco mil contos o conjunto. Foi dos primeiros carros topo de gama que contactei e conduzi em Inglaterra, e isso se calhar deixou-me um sorriso de nostalgia. Como se fosse um irmão mais velho que me tivesse levado pela mão, e dissesse: " Olha, este é o fabuloso mundo dos carros exclusivos, sê bem-vindo."




Sei que jamais poderei possuir um Spur, e mesmo que tivesse essa oportunidade, provavelmente não o faria. Continua a ser um desperdício de dinheiro, comprar um carro já feito. Com esse dinheiro, podem estar certos que construiría o meu próprio carro. Com um V12, e com o tejadilho à altura do meu cinto. Com quatro escapes em que se podia enfiar uma garrafa dentro de cada um deles. Aquecimento global? Isso até dava jeito para estes lados... Que tal Transmig V12?
Boa viagem, Spur. A gente vê-se por aí...

3 comments:

cadu1981 said...

Oias.

Tou a pensar ir ao Festival of Speed, em goodwood.

De portugal, como será melhor ir para lá? isso fica mais perto de Londres ou Southampton

Mike Silva said...

O Festival de Goodwood fica muito proximo de Southhampton.Tenho impressao que ate ha autocarros para la!

Fica exactamente em Chichester, ao lado da fabrica da Rolls Royce.

Mais info, podes consultar www.goodwood.co.uk

E se fores, avisa, que a gente encontra-se la...

Mike Silva said...

Ha voos de Faro para Southampton, pela companhia www.flybe.com

E uma companhia de baixo custo, se calhar fica em conta.