Monday, 16 March 2009

Carros policiais: Os desprezados de Hill Street

Um bonito Rover que patrulhava os jogos de futebol de 1970... E que fazia a vida negra aos criminosos do West End ... Sim, é um V8.



OS carros policiais, nem para o Cinema têm servido. Basta ver os filmes de Hollywood, de Dirty Harry aos três duques, para perceber que os carros da polícia são apenas adereços para serem destruídos sem dó nem piedade. Em embates de saltar o motor, ou em capotamentos de amassar o tejadilho. Quem não se lembra de Brian Denehey , o xerife indelicado de " First Blood", e o seu capotanço a perseguir Rambo pela floresta. Por exemplo. A dificuldade de condução de um destes carros, que após fazerem uma curva andavam mais meia-hora para conseguirem estabilizarem o carro, de um lado para o outro, enquanto o Corvette fugia a sete pés ( Admiro os xerifes comedores de hamburguers terem o desplante de perseguirem um Corvette com uma banheira americana...) O que se safava dos carros da polícia de Hollywood, era aquela sirene do tamanho de uma panela de pressão no tejadilho, que fazia mais barulho que um quartel de bombeiros. " oooooooooooooooooooooooooooooooooooooonnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn! " Já o carro tinha parado há meia hora, e ainda a sirene estava a desacelerar...


A balada de Hill Street, veio devolver alguma paz ao tema, e os Ford e Chevrolet com os dizeres " To protect and to serve" em fundo azul turquesa, tiveram uma existência pacífica com Washington, laRue, Renko, Belker ou Furillo ao volante.

Depois, vieram os filmes franceses, ou os filmados em França, onde Peugeots e Renaults com sirenes fatelas " tinoni, tinoni"( Não são capazes de comprar a pôrra de uns alarmes eléctrónicos, caraças! Nem que fôsse só para o filme!...), eram esquartejados e envolvidos em choques frontais destrutivos. Uma agradável visão, se se traterem de BX ou de 309. Ronin fez o favor à humanidade de destruir uma parte considerável destes desperdícios de espaço, não fosse alguém dar-lhe na telha de os recuperar.

Carro-Patrulha nem sempre foi sinónimo de Tempra ferrugento. Que tal um Lea Francis descapotável?


A série " Sweeney",que nos fêz estranhamente começar a olhar com outros olhos para o Ford Granada, apenas pecava com o barulho da ...hhhhmmm......Campaínha ( !!!) que servia de sirene. Uma campaínha! A malandragem ficava sempre indecisa se era o recreio da escola, ou se era a brigada anti-crime violento " Flying Squad", alcunhada pela bandidagem de "Sweeney", pela semelhança do nome com " Sweeney Todd", um barbeiro serial Killer da literatura inglesa. Se calhar ficavam distraídos e eram apanhados em flagrante pelos agentes Regan e Carter. Se calhar era isso.

Em Portugal, o restauro de veículos policiais, tarda em aparecer, salvo tentativas de louvor por parte de certas chefias policiais, e de agentes empenhados e entusiastas. Sei de um Carocha mantido pela PSP de Alfragide, e de um Porsche 356 mantido pela BT nas janelas verdes. Mas graças a problemas como falta de verba, as viaturas policiais tendem a ser utilizadas até ao limite, limite esse que envergonharia um cidadão Somali a bordo de uma ferrugenta Datsun. Os carros patrulha portugueses, trabalham em condições extremas, e tardam em ser renovados.

Um Land Rover blindado do Ulster, na Irlanda. Tudo em nome da diversidade e da preservação da memória. Sim, são chapas blindadas de dois centímetros...


Quando eventualmente o são,torna-se pior a emenda que o soneto. Renaults? VW polo classic? Ora bolas.Depois queixem-se... Não admira que as unidades não cheguem a uma idade que sejam passíveis de um restauro... Esperar que um destes carros chegue aos dez anos, pelo menos com o motor a trabalhar, é como esperar assistir a um concerto de João Pedro Pais sem adormecer.

No estrangeiro, já há muito tempo que existem clubes de entusiastas, formados na maioria por ex-polícias, ou ainda no activo, que se dedicam ao restauro de viaturas policiais de outros tempos. Estes veículos podem ser conduzidos na via pública, desde que tenham a palavra " Police" e os rotativos tapados . Seja como fôr, o restauro e manutenção de veículos policiais de outrora, é uma actividade que se torna numa mais valia para o Mundo dos clássicos. É mais um contributo para que a diversidade se torne cada vez maior, e um elo de ligação com as nossas memórias do passado. Embora alguns nós, de algum modo, queiramos esquecer algumas dessas memórias envolvendo carros policiais. Multas de 500 Escudos, eram muito dinheiro nessa altura, mas sempre saiu mais barato do que arranjar problemas a bordo de uma Zundapp XF 17 sem capacete...





Não, não é para rir! Eis a " campaínha" dos carros policiais ingleses da altura. Respeitinho a este " Subaru" de outrora!



































3 comments:

Sergio said...

Bem não tem nada a ver com o post mas cheguei agora de umas férias no RU e para quem tem paixão por automóveis é o paraiso! Ir na rua e estar sempre a ouvir o troar dos V8 e V12 a aproximarem-se e acelararem...e raramente ver TDI's CDI's 320d's etc mas sim S4, C63, M3, M5, S600 e AMG's para falar nas berlinas (o melhor som para mim nesta classe é do Quatroporte e) porque Porsche parecem ser oferecidos tal a quantidade...em Park Lane parece estar na moda o Bentley Continental e Rolls Phantom que há mais que Serie S320cdi e 535d em Lisboa (e há muitos)...
Até um Tesla vi(devia ser teste)! Queria ter visto um Zonda mas não é facil...
Bem é o paraíso pelo menos para a vista :)
mas eu já me contentava com um Caterham ou um Ariel...

mariam said...

Miguel,

voltar aqui é sempre um exercício engraçado, nada percebo de 'máquinas'! mas volto aqui sempre e leio com atenção! e gosto (muito) das imagens!

já passam 1:25 do dia da POESIA!
mas, de certa forma 'ELA TAMBÉM MORA AQUI! p'lo amor e gosto que imprime nas palavras ....

deixo um raminho de frésias frescas e o meu sorriso :)
mariam

ah! estive à pouco com uma pessoa que o conhece pessoalmente! um dia, ele decerto lhe contará :)

MS said...

Tudo o que lhe contaram de mau sobre mim é provavelmente mentira. Não ligue!

Obrigado pelo raminho.

Cumprimentos.